quinta-feira, 15 de outubro de 2009

DifeRenteS




Muitos viam em mim uma beleza que eu não poderia enxergar, eu sabia que muitas dessas pessoas estavam sendo críticos, sínicos e mentirosos. E olhei no fundo da alma, me aprofundei e não conseguia voltar, a escuridão criava vida e me tomava me puxava e me dominava aos poucos.
Havia milhares, bilhões, infinitos segredos que jamais seriam contados, havia também mentiras, muitas mentiras só que essas já foram contadas. Não busco o arrependimento, se menti foi em benefício meu ou de alguém, menti para não mentirem, menti para que não zombassem e menti para eu mesma poder acreditar que poderia mudar.
Me perdi na conta dos amores que não tive, me perdi de paixões, de desilusões, de mentiras, eu me culpo por estar perdida, pois nunca tive a coragem, a força ou talvez até não tivesse a maturidade necessária.
Não sei se sentirei sempre essas coisas estranhas, não queria ser tão estranha, mas sei que sou diferente, me alegro em estar só, me perco em meio a tumultos. Pessoas me julgam, me culpam, ironizam e me estressam.
Talvez o melhor mesmo seja não amar, mas quem disse que posso controlar meu coração?
Me perdi uma vez no mundo dos amantes apaixonados, antes de poder declara meu amor a quem eu amava tudo era bom e perfeito. Não pensei que depois eu iria me ferir tanto, não esperava que algo tão bonito causasse tantos danos.
O amor é algo louco, bom e ruim, transcendental, nos perdemos nele e muitas das vezes vivemos dele ou matamos por ele.
É tão diferente ser a diferente, gostar de tudo e ao mesmo tempo de quase nada, dar espaço e ao mesmo tempo fechar cada canto de aproximação, seguir uma direção contrária a de todos. O caso não foi ter nascido assim, ninguém nasce como é agora, mudamos com o decorrer dos tempos com as convivências, experiências. A vida muda, as pessoas mudam nada ou quase nada faz sentido, nos perdemos no tempo, no espaço, no mundo, somos muito ou quase nada, somos o que somos o que inventamos e o que criamos.
Se não fizer sentido não importa, e se fizer tanto faz. É frustrante e incompreensível, é louco amar hoje, odiar amanhã, gritar, sorrir, viver, tudo nos faz cada dia mais independentes, jovens alucinados, estranhos, incompreendidos e diferentes.

Um comentário:

michelly disse...

Amiga adorei o seu blog esta tudo muito lindo,adorei esses poemas,axu que é poema neh,(rs),Continue sendo essa pessoa maravilhosa e inteligente que voce é!!Eu te adoro muito muito amiga,sinto mto sua falta,é tao bom agente ter alguem pra contar nossas coisas,só que a vida nos leva a tomar varios rumos,e as vezes fikamos sem tempo de ver os amigos,que covardia,mas eu quero sempre ter sua amizade..
Te adoroo
E mais uma vez parabens pelo blog!Bjos